quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

O DESCONHECIDO



Uma noite de céu sem nuvens e lua clara
Amanda passeava sem rumo
Pelas areias da praia
Com seus pés descalços
Vento batendo nos longos  cabelos
Que seguiam o curso do vento.
Era uma morena que se destacava
Uma beleza que se diferenciava.
Sorriso fácil, olhar brejeiro
Bonito cadenciado dos quadris
E passos que se mantinham no prumo.
A noite não era tão silenciosa
Pois o barulho constante do mar
Mesclava com o doce cantar do vento.
Ao longe ela pode ver
Sobre a areia, algo diferente
Do que ali para ela era comum.
Sentiu o coração mais forte bater
E com andar ligeiro,
Com uma mistura de medo e curiosidade
Foi se aproximando.
E quando estava a poucos passos,
Pode ter certeza que ali havia alguém caído na areia.
E ao se ajoelhar para poder melhor observar
Notou que era um homem ainda jovem
Com cabelos ligeiramente longos
Barba por fazer,
Apesar de muito bem arrumado,
Estava todo sujo e encharcado.
Amanda pode ver que no braço
Daquele estranho
Perto da mão, quase no punho
Que, aliás, era um braço bem forte,
Parecendo de aço,
Havia um corte
Que o tinha feito perder muito sangue.
Respiração difícil, pulso fraco,
Mesmo não sendo especialista,
A bela garota sabia que ele não sobreviveria
Se permanecesse  ali deitado na areia.
Com mistura não mais de medo,
Mas decisão e uma pontada de incerteza
Retirou dos olhos seus longos cabelos de sereia
E correu para buscar ajuda.
E não custou ao mesmo local retornar
Trazendo  pessoas para lhe ajudar
Porém para sua surpresa e mais ainda dos demais
No lugar não tinha nenhum vestígio
Que ali havia estado um homem ferido.
Nada se encontrava a não ser uma imensidão de areia
Iluminada, agora mais que antes, pela luz branca da lua.
O rapaz de alguma forma dali havia sumido.




segunda-feira, 6 de novembro de 2017

AMAR É SABER DEIXAR IR




Meu amor, eu o deixo ir
Pois o seu caminho não posso mais seguir
Preciso permanecer
Você pode e deve ganhar o horizonte
Seria maldade lhe manter comigo
Não seria amor e sim apenas o desejo de  possuir
Mas como o meu sentimento é tão puro
Quero o seu  melhor
Não quero mantê-lo no meu mundo pequeno
Você merece ir muito além
A felicidade que almeja, infelizmente,
Está bem longe de onde meu braço alcança
Por isso faça o que lhe peço: se lança,
Segue essa dança  tão fantástica e bela
Que é a vida. Siga com graça, com toda sua força e raça
Características tão comuns em você
Mas saiba que sempre vou saber de sua vida
Assim lhe mantenho um pouco comigo
Não será um alimento para o meu amor
Pois, esse ,sobrevive de qualquer jeito
Não morrerá jamais
Não importa o quanto distante esteja.
E mesmo que jamais o veja.
O amor mais bonito, doce e infinito

Por você, sempre se manterá no meu peito

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

AMOR IMPERFEITO


Luana era uma morena bela
Todos os rapazes do vilarejo
Queriam se perder nas curvas do corpo dela
Eram seduzidos pelo seu olhar
E  sua forma peculiar de andar
Com leveza infinita, ela deslizava
Com graça pelas ruas de terra batida
Daquele lugar que não tinha nada daquilo que sonhava.
Sabia que sua beleza fascinava
E via nessa sua característica um trunfo
Para chegar o mais longe possível,
Muito além do que aquelas ruazinhas lhe permitiam ir.
Por isso nunca tinha se deixado seduzir por rapazes do lugar.
Conhecia bem  todos eles
E sabia que muito pouco lhe podiam dar.
Olhava, sorria e os mantinha escravos do desejo
De poder possuí-la pelo menos por uma noite
Ou sentir  o sabor de um dos seus beijos.
Um dia ,naquele povoado perdido na imensidão,
Surgiu um rapaz para todos desconhecido.
Assim que Luana ficou sabendo que ali, naquele lugar ermo,
Perambulava alguém bem apessoado,
Com roupas finas e linguajar  requintado
Em segundos vislumbrou toda a vida que sempre sonhou.
Tratou de se fazer presente no pensamento
Daquele homem que todas as moças do lugar ficavam a admirar.
E não tardou com ele seguir viagem
Para um destino incerto, mas que lhe pareceu o mais correto.
Mas a desilusão não precisa de um tempo longo
Ou um local distante para se revelar
E aquele que parecia o anjo salvador daquela bela dama.
Logo se mostrou demônio, destroçando todos os sonhos de Luana.
Que acordou sozinha,
Numa manhã, que mesmo o dia estando ensolarado, pareceu-lhe nublado.
E ele sozinho se foi, levando dela a esperança,
E todos os seus sonhos de criança.